Os ares das arábias reinam no Marrocos, onde você aprecia gigantescos monumentos e pechincha nas medinas.

Um país cujo o símbolo do amor é o fígado, e não o coração; onde as viúvas vestem a cor branca, em vez do preto; e onde homens andam de mãos dadas em sinal de amizade, só pode ter uma cultura bastante inaudita.

Localizado a noroeste da África, o Marrocos é o país africano mais próximo do continente europeu, há apenas 13 quilômetros de barco do sul da Espanha, viagem feita cruzando o famoso Estreito de Gibraltar.

Pode-se dizer que o Marrocos é um lugar místico, cheio de histórias que povoam o imaginário, em cenários cinematográficos, onde sultões imperam e odaliscas arrastam seus véus em danças inebriantes.

Trilogia das cores

As cidades imperiais são as mais famosas do Marrocos, lugares de paisagens encantadoras e aura mística, as quais cada uma é conhecida por uma cor, que acaba por caracterizar suas construções arquitetônicas.

Marrakesh – a cidade vermelha

No caminho para Marrakesh poderá visitar destinos interessantes, como por exemplo as fortalezas de Tifoult e Taourirt, lugares fascinantes onde filmes hollywoodianos foram gravados. Porta de entrada para o Deserto do Saara, ao chegar lá, você saberá que está em terras típicas e encantadoramente árabes, onde contos como o das Mil e Uma Noites podem ser interpretados.

A mesquita Koutoubia e os lindos jardins La Ménara e Majorelle são lugares adoráveis, mas interessante mesmo será conhecer a praça Djemaa el Fna, onde há encantadores de serpentes e vendedores de especiarias, artesanatos e outros bibelôs marroquinos.

E por falar em artesanatos e especiarias, vamos aos souks, que são mercados, geralmente menores dentro das medinas. É como um mercado dentro do outro, porém para públicos diferentes, normalmente mais afastados da praça central.

Hoje, esses são locais de grande aglomeração de pessoas, onde não faltam mercadorias típicas como tapeçarias, alimentos, tecidos finos e até móveis. O que mais encanta é a, não apenas possibilidade, mas quase que a obrigação de pechinchar, pois este é o poder de compras no Marrocos, uma atitude culturalmente bem desenvolvida, uma vez que nenhum produto tem preço fixo.

Meknes – a cidade verde

Também é uma das cidades imperiais marroquinas, ostentando bravamente o título de Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, conhecida como “Versalles marroquina” por possuir palácios e mesquitas inspirados em obras arquitetônicas francesas de Luís XIV.

Construído em 1732, o portão Bab El Mansour é a porta que convida não apenas a apreciá-la, mas a entrar nesta cidade de construções bastante antigas. É um portão que chama atenção pela beleza ornamentada por colunas de mármore. Excelente lugar para fotos!

Impressionante também, será observar o enorme muro de 40 quilômetros de extensão, muro este que protege a cidade há centenas de anos, abrigando mesquitas, palácios e a antiga medina, lugar de compras típicas, sem esquecer o hábito de pechinchar.

Ao redor de Meknes, estão as ruínas romanas de Volubilis, um complexo arqueológico do século III a.C., onde prédios, residências, templos e palácios romanos foram escavados e são preservados até hoje como atrativo dentro dos roteiros de viagem.

Fez – a cidade amarela

Fez é onde se pode conhecer como são tingidos os tecidos marroquinos, além de conhecer a medina medieval, a mais antiga do mundo árabe, onde muitos artesãos expõem seus produtos tradicionais.

Devido a essa antiguidade ainda viva, e também às típicas construções, já bem arcaica, ao estar em Fez, a sensação é de que a cidade parou no tempo, remetendo uma histórica cidade árabe de outros séculos.

Por isso também, costumes antigos ainda são preservados como a busca por água em fontes, as quais muitas estão localizadas em Fez, em locais onde a população usa para retirar água fresca e potável, o que é mais interessante!

A mais graciosa dessas fontes é Nejjarine, a qual fica em uma pequena praça muito bela e ornamentada de rica composição de mosaico. Apesar de antiga, é muito utilizada pela população local, e aprazível atrativo para visitantes.

Fez é considerada a capital religiosa do Marrocos pois abriga a imponente Mesquita El Karaouine, no mesmo espaço em que também está a universidade mais antiga do mundo. Aberta para visitação à sua biblioteca, com vasta quantidade de livros e manuscritos, por isso também é considerada uma capital intelectual.

A imperial Rabat

Apesar de não ser a cidade mais conhecida, essa é a capital do Marrocos, também chamada de cidade branca do litoral atlântico, na qual você poderá visitar lindas praias. Além disso, alguns atrativos turísticos são relevantes conhecer por suas histórias, beleza e cultura.

O Kasbah dos Oudayas é uma fortaleza medieval, lugar que ostenta um jardim lindíssimo e um museu com objetos da tradição marroquina como um Alcorão, algumas joias, roupas típicas e peças em cerâmica.

Importante visitar também, um grande complexo histórico e turístico, onde estão o Mausoléu de Mohamed V, uma belíssima construção de cor branca, onde ficam os túmulos do rei Mohammed V e de seus filhos; e a Torre de Hassan de 44 metros de altura.

Lá também está uma mesquita que atrai turistas do mundo todo, sendo possível observar algumas paredes e colunas que estão inacabadas.

A famosa Casablanca

Essa é a cidade marroquina mais popular, e excelente para entender o estilo de vida desse povo hospitaleiro. Capital econômica do Marrocos e maior cidade deste país, a arquitetura de seus prédios tem influências em Art Déco, na cor branca, formando uma linda vista urbana.

É uma cidade moderna, cheia de mercados, restaurantes e bares para curtir uma noite mais agitada. Mas também pode ser uma cidade praiana, podendo relaxar ao sol nas areias brancas banhadas pelo Oceano Atlântico.

É em Casablanca onde está um dos maiores minaretes existentes, na pomposa mesquita Hassan II, a segunda maior do mundo, um lugar onde você poderá visitar apenas o exterior; e passar pela Praça Mohamed V, outro ponto em homenagem ao rei marroquino, além de caminhar pela Ain Diab.

Cultura mista

Gastronomia – É costume nas medinas marroquinas, a venda de ingredientes típicos do mediterrâneo, muito aromáticos e coloridos como pimenta, canela, cominho, açafrão e outros. É uma gastronomia bastante temperada, mas sem exageros, além dos alimentos serem feitos em fogão a lenha, maneira antiga de cozinhar, mas que traz maior sabor às comidas.

Além disso, todos os pratos são servidos com pães típicos e azeitonas, uma forma de incrementar, junto de petiscos como as favas e grãos de bico. Um fruto interessante de encontrar nas medinas e souks, são aqueles que nascem dos cactos, apesar da dificuldade em adquiri-los, são muito saborosos.

Em relação a bebida, assim como o brasileiro, o marroquino apreciada muito o café, também podendo escolher entre o puro, e o café com leite. Outra bebida bastante deleitada é o chá de menta, mistura de chá verde com folhas de hortelã, bastante açucarado.

Religião – Em relação a religião, o islamismo é predominante, regida pelo Alcorão, uma religião que tem raiz árabe, com significado de pureza, paz, obediência e submissão. Em vez de igrejas, seus locais de reza são as mesquitas, onde pessoas não muçulmanas, não podem entrar. O costume dessa fé é se dirigir cinco vezes ao dia às mesquitas, ao ouvir os chamamentos para que realize culto e orações como forma de se ligar a Deus.

Costumes – Um dos maiores costumes marroquinos é tirar os sapatos antes de entrar em uma residência em sinal de respeito e educação, além de levar uma lembrança ao visitar a casa pela primeira vez.

Em relação a vestimenta, tanto os homens quanto as mulheres usam a djellaba, uma peça tradicional, comprida como um vestido longo, porém mais largo e de mangas compridas e largas. Pode ser usada em qualquer época do ano, em qualquer clima.

Passeio diferenciado no Saara

Uma pequena aldeia, localizada no meio do deserto do Saara, a cerca de 20 quilômetros da fronteira com a Argélia, estão as dunas de Merzouga, lugar onde é possível se instalar em pequenas hospedagens – hotel ou tenda – para desfrutar de uma vivência diferenciada no maior deserto do mundo.

Nessa experiência você conhecerá a cultura e a gastronomia local em uma visita que vale muito por todo o atrativo disponível. Um exemplo é o delicioso café da manhã, servido ao amanhecer, podendo contemplar o nascer do sol por entre as dunas de areia, um dos mais lindos do planeta.

Um passeio imperdível e desafiador com veículo 4×4 por essas dunas, irá acelerar seu coração, além de trazer um conhecimento fabuloso sobre as riquezas fósseis que o tempo deixou nesse solo. Um legado de milhões de anos pode ser descoberto: fósseis marinhos em pleno deserto!

Incrivelmente, essa região já foi coberta pelo mar, nos idos do período Mesozóico, quando também ocorreu uma super movimentação desse terreno, que se elevando, fez com que o escoamento das águas marinhas, tornassem a região tão árida como é hoje, deixando também que os sedimentos marinho, hoje petrificados, ficassem expostos. É uma incrível viagem arqueológica pela história do planeta Terra!

Dicas valiosas da Raidho

Agora, a Raidho vem com algumas dicas que vão tornar a sua visita ao Marrocos, ainda mais prazerosa:

  • O Marrocos tem um clima subtropical, por isso, a melhor época para visitá-lo é na primavera ou no inverno, entre os meses de Outubro e maio.

 

  • A Raidho recomenda que essa viagem seja feita em pelo menos 10 dias, desfrutando das belezas e riquezas locais.

 

  • Os marroquinos têm o costume de agradecer sempre, a qualquer coisa, então aprenda a agradecer também falando “Shukran”.

 

  • Além de aprender esse agradecimento corriqueiro, os viajantes também se aprofundam nas histórias e costumes marroquinos, apreciando uma vivência experiencial ao visitar residências típicas quando os locais os convidarem, sem deixar de sorver do famoso chá de menta.

 

  • A aventura também pode ser vivenciada no Marrocos, com um trekking subindo o monte Jbel Toubkal, chegando ao seu pico com 4.167 metros de altitude; ou esquiar na cidade de Midelt, famosa por ser uma região de picos nevados no inverno. Prepare o fôlego!

 

  • E, o que não pode faltar: Passeio de camelo pelo deserto do Saara, onde você terá uma incrível experiência, conhecendo costumes de beduínos, se hospedando em tendas requintadas em pleno terreno arenoso. Será a oportunidade de contemplar um pôr de sol dos mais lindos do mundo!
Lucila Nedelciu
Em busca de realizar um sonho, Lucila se tornou empresária aos 28 anos quando fundou a Raidho Viagens em 1990, uma operadora especializada em turismo para lugares exóticos e roteiros de experiência. Formada em Letras e pós-graduada em Marketing, já viajou para mais de 70 países, sendo 15 visitas à Índia, destino pelo qual é apaixonada e considerada uma autoridade. Devido a isso, é perita em roteiros incomuns para conhecer culturas e filosofias milenares e os costumes de cada povo, visando o enriquecimento interior junto às belezas dos locais.
Inovadora e conhecida por lançar tendências no mercado, oferece junto à Raidho, excelência na qualidade de serviços e tem orgulho em ter conquistado o prêmio de melhor Operadora da América Latina em viagens para a Índia, pelo governo, por três anos consecutivos.