Conheça Baku, a capital que reúne o moderno e o antigo, no Azerbaijão

Ainda falando sobre a Ásia Central e o Cáucaso, hoje nosso destino é Baku, capital do Azerbaijão. Uma cidade cosmopolita, considerada uma das mais bonitas do mundo. O Azerbaijão é o único país do Cáucaso que tem uma capital à beira mar.

Além dele, apenas outros 70 países do mundo possuem capitais no litoral, o que já desperta a curiosidade do turista. Localizada às margens do Mar Cáspio, a paisagem de Baku é dominada pelo mar e pelas edificações seculares que dividem a paisagem com edifícios modernos, de fachadas envidraçadas, formas sinuosas e intricadas.

É um lugar com rica história, já que fez parte do Império Persa, tendo sido invadida várias vezes até que se tornou parte da extinta União Soviética. Além disso, está localizada a 28 metros abaixo do nível do mar, o que a torna a capital nacional mais baixa no mundo e também a maior cidade do planeta nesta condição.

Outra curiosidade sobre a cidade é a imprecisão sobre o significado do seu nome. Em persa, o significado é “cidade fustigada pelo vento”. Também na mesma língua, há a suposição de que o significado seja “montanha de Deus”. Já em turco seria “cidade principal”.

É a principal cidade do Azerbaijão, capital econômica que tem como principal fonte de riqueza o petróleo. Seu boom econômico teve início a partir de meados do século XIX, devido às descobertas de petróleo na região, com o primeiro poço construído em 1846.

Mas, a exploração em larga escala das reservas começou a acontecer apenas em 1872. A partir daí, por meio do investimento privado, a cidade alcançou um extraordinário nível de desenvolvimento. Por conta do petróleo, a cidade é também chamada de “Terra do Fogo”, com jazidas de chamas que não se extinguem.

Principais atrações

 

  • Cidade Antiga ou Old Town

Deixe-se perder pelas ruelas e aproveite para admirar cada uma das construções existentes ali. Se a fome apertar, não deixe de experimentar o Plov, um arroz envolto massa folhada, misturado com castanhas, damasco e carne de cordeiro e, de sobremesa, peça Pakhlava, um doce feito de nozes típico do país.

Entre as atrações imperdíveis estão subir ao topo da Maiden Tower, que é uma torre medieval que apresenta uma linda vista da cidade e visitar o Shirvanshah’s Palace, construído no século XV quando a capital do país foi transferida para Baku e, atualmente, considerado Patrimônio Mundial da Unesco.

Ainda falando sobre a Ásia Central e o Cáucaso, hoje nosso destino é Baku, capital do Azerbaijão. Uma cidade cosmopolita, considerada uma das mais bonitas do mundo. O Azerbaijão é o único país do Cáucaso que tem uma capital à beira mar.

 

No complexo, há o edifício principal do palácio, a mesquita Shah Mosque e o cemitério Shirvanshah’s Burial Vault, onde estão os túmulos da família Shirvanshah. Próximo dali está o Museu dos Livros em Miniatura. Inaugurado em 23 de Abril de 2002, o museu conta com 4,7 mil livros em miniatura de 64 países. Os menores livros são três mini livros de 2×2 mm, publicados no Japão.

  • Cidade Baixa

Consideradas não apenas um símbolo da cidade, como também um orgulho nacional, as Flame Towers, que abrigam hotéis e escritórios, foram inauguradas em 2012 e tiveram como inspiração as chamas de gás natural.

 

Ainda falando sobre a Ásia Central e o Cáucaso, hoje nosso destino é Baku, capital do Azerbaijão. Uma cidade cosmopolita, considerada uma das mais bonitas do mundo. O Azerbaijão é o único país do Cáucaso que tem uma capital à beira mar.

 

À noite, as três torres em formato de chama transformam-se em gigantescos displays de LED que iluminam a paisagem. Situado na orla e inaugurado em 2014 está o Museu do Tapete ou Carpet Museum, com seu formato de tapete enrolado. Outro local que também merece a visita e que possui formas sinuosas é o Centro Cultural Heydar Aliyev, nome do ex-presidente do país e cujo formato da edificação foi baseada em sua assinatura. Ali dá para conhecer mais sobre a história, a sociedade e a cultura do Azerbaijão.

Não deixe de visitar a Nizami Street, principalmente à noite, pois além de muito movimentada, possui uma iluminação lindíssima, com inúmeras lojas e restaurantes. Também vale o passeio à noite para conhecer as diversas fontes da cidade que, com formatos diferenciados e muito bem iluminadas fazem parte do cartão de visita da cidade.

E o que dizer das estações de metrô com nomes quase impronunciáveis para nós, brasileiros, mas cada uma com uma arquitetura diferente, que chama a atenção pela beleza e limpeza. Para quem não abre mão de umas boas compras, vale a visita ao Mercado de Baku. É um lugar onde é possível comprar desde souvenires até itens para casa, inclusive cristais e, o que é melhor, a preços excelentes.

Não esqueça os arredores!

Não apenas a cidade em si possui atrativos, mas os arredores de Baku também guardam boas surpresas. Entre essas está o Templo do Fogo, construído entre os séculos XVII e XVIII e, assim como outras edificações é considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

Ainda falando sobre a Ásia Central e o Cáucaso, hoje nosso destino é Baku, capital do Azerbaijão. Uma cidade cosmopolita, considerada uma das mais bonitas do mundo. O Azerbaijão é o único país do Cáucaso que tem uma capital à beira mar.

 

Perto dali está a Yanar Dag, a “montanha da chama eterna” a atração é justamente o fogo, em que jazidas de gás natural queimam há mais de mil anos. Também muito próximos um do outro estão o Gobustan National Park e o Vulcão Mud.

No primeiro, as principais atrações são a arte rupestre e um museu sobre o tema. Já no segundo, há vulcões ativos que, ao invés de lava, há borbulhante. Gostou? Já incluiu a cidade no seu roteiro de viagem para a Ásia Central e o Cáucaso?

No quarto e último post daremos dicas culturais e de hospedagem desta região única em todo o mundo. Não perca!

 

Em busca de realizar um sonho, Lucila se tornou empresária aos 28 anos quando fundou a Raidho Viagens em 1990, uma operadora especializada em turismo para lugares exóticos e roteiros de experiência. Formada em Letras e pós-graduada em Marketing, já viajou para mais de 70 países, sendo 15 visitas à Índia, destino pelo qual é apaixonada e considerada uma autoridade. Devido a isso, é perita em roteiros incomuns para conhecer culturas e filosofias milenares e os costumes de cada povo, visando o enriquecimento interior junto às belezas dos locais.
Inovadora e conhecida por lançar tendências no mercado, oferece junto à Raidho, excelência na qualidade de serviços e tem orgulho em ter conquistado o prêmio de melhor Operadora da América Latina em viagens para a Índia, pelo governo, por três anos consecutivos.