Abril: É Ano Novo na Tailândia

Se no Brasil “o ano novo começa só depois do carnaval”, na Tailândia, o Ano Novo é festejado apenas em abril. Literalmente. O país segue o calendário budista, que está a 543 anos à frente do gregoriano. Portanto, em 2019 a Tailândia dará entrada ao ano de 2562. O “Festival das Águas” é celebrado oficialmente nos dias 13, 14 e 15 de abril na Tailândia. A festa, chamada de Songkran, é uma palavra originada do sânscrito que significa “passagem astrológica”, transformação ou mudança.

O país – que já é rico em cores – parece ganhar ainda mais vida nesta época. E a festa já começa nos principais aeroportos, quando os turistas são presenteados com um saquinho contendo flores secas e um vidrinho contendo água perfumada, para entrar no clima e se purificar; os oficiais da imigração ainda trocam seus uniformes por camisas floridas. Os templos também ganham uma decoração especial com bandeiras coloridas e as ruas se enchem de gente. Na capital, Bangkok, as celebrações acontecem em todos os templos, mas a maior concentração é no Grand Palace que, neste período tem entrada gratuita; e no Wat Pho, o templo do Buda reclinado.

Se no Brasil “o ano novo começa só depois do carnaval”, na Tailândia, o Ano Novo é festejado apenas em abril. Literalmente. O país segue o calendário budista, que está a 543 anos à frente do gregoriano. Portanto, em 2019 a Tailândia dará entrada ao ano de 2562.

Os dias do Songkran são muito importantes para os tailandeses, que consideram este um tempo para estar com a família e os amigos e prestar reverências aos ancestrais. Pela tradição, cada um dos dias é marcado com ações diferentes. No primeiro, os tailandeses lavam suas casas para eliminar as impurezas e se livrar da energia negativa acumulada ao longo do ano que passou. Nesta data, também celebra-se o Dia Nacional do Idoso e para reverenciá-los, os mais novos – em sinal de humildade – lavam suas mãos em água perfumada com lavanda e lírios, desejando aos idosos vida longa e felicidade. Em troca, recebem deles bênçãos desejando saúde e prosperidade.

O segundo dia é dia de compartilhar e celebrar com a família. Neste dia, as imagens de Buda existentes nas casas e nos templos são banhadas com água perfumada. No terceiro e último dia, os tailandeses levam suas oferendas aos templos, a fim de pedir boa sorte para o novo período que se inicia. Um dos costumes nos templos é fazer pequenos montes de areia em formato de pagode e enfeitá-los com bandeiras coloridas para agradecer e pedir boa sorte. Faz parte da tradição, também, comprar e libertar pássaros e peixes.

Festival das Águas

Se no Brasil “o ano novo começa só depois do carnaval”, na Tailândia, o Ano Novo é festejado apenas em abril. Literalmente. O país segue o calendário budista, que está a 543 anos à frente do gregoriano. Portanto, em 2019 a Tailândia dará entrada ao ano de 2562.

O Songkran também é conhecido como o Festival das Águas porque em todas as cidades do país, no último dia, a partir do meio-dia até à meia noite, as pessoas saem às ruas molhando umas às outras. E são várias as razões pelas quais a água é utilizada. Uma delas é que abril, para eles, é o mês mais quente do ano e isso ajuda a espantar o forte calor. Abril também é o mês em que começam as monções, fundamentais para a agricultura, já que o país figura entre os maiores produtos de arroz do mundo, um tipo de plantação que necessita de grandes volumes de água.

Os tailandeses também acreditam que a água, sendo pura, é capaz de lavar qualquer tipo de maldade, azar ou infelicidade, e trazer boa sorte e felicidade. Na tradição budista tailandesa, a água é usada em diversas cerimônias, como casamentos e funerais. Desta forma, celebrar o início do novo ano com muita água é um desejo de boa sorte. Ninguém costuma escapar da guerra de água, nem os turistas, que se envolvem na brincadeira como se fossem habitantes locais.

A Tailândia é um destino exótico, alegre, vibrante e convidativo, com inúmeras atrações. Por isso, o ideal é reservar ao menos 10 dias para poder ter uma boa ideia de tudo o que acontece ali. E, ao ser recebido nos lugares, não deixe de fazer uma reverência e dizer “Khorb Khun Mark”, que significa muito obrigado. Em todos os lugares, certamente, você ouvirá “Leo pop kun mai” que significa “até breve”, num firme desejo de que você volte. E quem vai à Tailândia uma vez, sempre sente o desejo de voltar.

Lucila Nedelciu
Em busca de realizar um sonho, Lucila se tornou empresária aos 28 anos quando fundou a Raidho Viagens em 1990, uma operadora especializada em turismo para lugares exóticos e roteiros de experiência. Formada em Letras e pós-graduada em Marketing, já viajou para mais de 70 países, sendo 15 visitas à Índia, destino pelo qual é apaixonada e considerada uma autoridade. Devido a isso, é perita em roteiros incomuns para conhecer culturas e filosofias milenares e os costumes de cada povo, visando o enriquecimento interior junto às belezas dos locais.
Inovadora e conhecida por lançar tendências no mercado, oferece junto à Raidho, excelência na qualidade de serviços e tem orgulho em ter conquistado o prêmio de melhor Operadora da América Latina em viagens para a Índia, pelo governo, por três anos consecutivos.