Vai viajar para o Irã?

Confira importantes dicas da Raidho para passear tranquilamente

Finalizando nossa série de posts sobre o Irã e suas maravilhas, a equipe da Raidho, que é especialista no destino, elencou algumas orientações para quem deseja aproveitar a estada no país e não ter dores de cabeça.

Estas dicas são muito importantes porque o país é conservador e há questões religiosas que precisam ser respeitadas para garantir uma experiência completa, já que existem regras sobre estilo de vida e comportamento diferentes, tanto para os locais quanto para os turistas.

Fique atento para evitar qualquer tipo de desconforto. Confira!

Não viu os posts anteriores?

Só acessar:

Dress code

 Vai viajar para o Irã?

   -Mulheres

Todas as mulheres devem andar, obrigatoriamente, com os cabelos cobertos com um véu – cujo nome é correto é hijab em todas as ocasiões. Desobedecer essa regra pode gera problemas com a Polícia Religiosa e de Costumes.

A boa notícia é que não é preciso cobri-los por completo: é aceitável deixar alguns poucos centímetros de cabelo à mostra. Além disso, andar sem o hijab em público é visto como um ato de rebeldia e desafio ao governo e sua punição pode ocasionar em uma reprimenda dada pelas mulheres encarregadas de fiscalizar as vestimentas.

As estações do ano são bem definidas no país e ao viajar para lá, leve camisas, batas e blusas de mangas ¾ que cubram os cotovelos e as pernas Além dos cabelos cobertos, é exigido que os braços e pernas estejam cobertos – mesmo se a temperatura estiver alta – e que as roupas não sejam justas, para não revelarem as curvas do corpo. Uma opção é usar vestidos larguinhos de mangas compridas por cima das calças, que tanto podem ser jeans, legging ou de alfaiataria.

Mas é fundamental que a parte de trás do corpo esteja muito bem coberta. Evite também decotes e calças rasgadas na perna. Apesar disso, você perceberá que as mulheres iranianas têm um senso estético apurado e, seguindo as regras, apesar das regras, se vestem muito bem.

Além disso, nos hotéis de categoria superior, há piscinas e é possível, sim, usar biquínis ou maiôs. No entanto, homens e mulheres não podem se misturar: o horário reservado às mulheres é o da manhã e dos homens, à tarde. O uso de roupas de banho é permitido somente na área da piscina. Mas, para chegar até lá, o corpo deverá estar todo coberto, inclusive os cabelos.

Use apenas roupas discretas e se você estiver muito insegura quanto a isso, procure uma loja e peça ajuda para comprar e usar um chador, aquela vestimenta preta que cobre o corpo todo. O povo iraniano é muito solícito e, neste caso, as mulheres não negarão auxílio. Assim, você não precisará mais se preocupar com isso e não se sentirá diferente, já que encontrará muitas mulheres usando o mesmo pelas ruas.

Já a maquiagem é item quase obrigatório entre todas as mulheres iranianas. Portanto, se você não gosta de maquiagem, use ao menos um batom. Quanto às unhas pintadas, não tenha medo de arriscar, já que também são aceitas.

   – Homens

Mesmo com o calor escaldante, evite usar shorts e bermudas para não atrair a atenção indesejada. Não use, em hipótese alguma, regatas. Mas camisetas e camisas de mangas curtas são aceitáveis, assim como sandálias e chinelos.

Diferenças no tratamento

   – Homens

Os homens iranianos costumam dar beijinhos no rosto de outros homens para demonstrar o que são bem-vindos. Então, não se acanhe. Aceite-os e retribua, sendo cortês como todo brasileiro tem fama de ser.

   – Mulheres

Não é comum uma mulher ser tocada por um homem que não seja seu marido ou parente próximo. Desta forma, não encoste em um morador do sexo oposto enquanto estiver no país.

Mas, se desejar cumprimentar um homem apertando-lhe a mão, estenda a sua primeiro, pois ele jamais tomará a iniciativa.

Além disso, demonstrações públicas de afeto não são toleráveis, mesmo entre casais. Ainda que nas grandes cidades seja relativamente comum ver jovens andando de mãos dadas, sem chamar tanto a atenção, na dúvida, é melhor evitar.

Evite discutir política e religião

 Vai viajar para o Irã?

Estes assuntos são pontos muito nevrálgicos entre os habitantes do país, sobretudo os mais novos. Portanto, não emita sua opinião e, para sua segurança e de seu interlocutor, evite entrar em discussões. Apenas aceite os costumes e leis e respeite o local em que está.

Sites e aplicativos bloqueados

 Vai viajar para o Irã?

O acesso à internet no Irã costuma ser estável, no entanto, alguns sites sofrem censura e/ou bloqueio por parte do governo. Entre esses estão o Facebook, Twitter e YouTube.

Portanto, será muito difícil postar suas fotos em tempo real ou tecer comentários nestas redes. Já o Instagram é bem-aceito e até órgãos do governo possuem suas páginas oficiais.

Os aplicativos de mensagem instantânea, como o WhatsApp, sofrem filtragens esporádicas. Caso queira manter contato desta forma, o aplicativo mais confiável é o Telegram. Instale-o é peça para sua família e seus amigos no Brasil que façam o mesmo.

Em relação aos mapas das cidades, o Google Maps é bem desatualizado e não tem dados de transporte público. Dê preferência ao Maps.me, que pode ser usado off-line.

Álcool, comida e vida noturna

 Vai viajar para o Irã?

Desde a Revolução, ocorrida em 1979, bebidas alcoólicas são banidas no Irã. Cervejas são facilmente encontradas em mercados e restaurantes, mas nenhuma delas contêm álcool e seu sabor é frutado.

Algumas minorias étnicas produzem suas próprias bebidas em casa, especialmente vinho, mas não possuem autorização para comercializá-las. Burlar essas regras pode gerar problemas com a justiça de lá.

Para quem não abre mão de comer um bom prato à base de quem gosta de carne de porco, é importante  saber que, no país, é expressamente proibido consumir carne deste animal, considerado impuro pelos muçulmanos. Desta forma, somente serão encontrados salame, mortadela, presunto e outros derivados produzidos com carne de carneiro, frango ou boi. Aproveite a oportunidade e descubra esses sabores pouco comuns aqui no Brasil!

Segurança

Por possuir penas severas e rigor no cumprimento das leis, incidentes de segurança são raros no país. Ou seja: até mesmo pequenos delitos, como furtos e golpes, são praticamente inexistentes.

É muito seguro caminhar à noite pelas cidades, inclusive para mulheres desacompanhadas. Mas, é preciso manter atenção básica, como em qualquer lugar. Além disso, as grandes cidades possuem um trânsito muito caótico e, como os sinais dificilmente são respeitados pelos motoristas, é preciso muita cautela para atravessar as ruas.

Outro ponto importante é que, boa parte dos hotéis costuma reter o passaporte e o guardam até o momento do check-out do turista. Mas, já aqueles que Em alguns casos eles apenas tiram uma cópia. Não é preciso ter medo, pois é o procedimento é seguro. Além disso, uma opção é tirar uma cópia do passaporte e andar sempre com ela.

Leve dinheiro em espécie

Por conta das sanções internacionais, cartões de crédito de bandeiras, como Visa e Mastercard, não são aceitos nos caixas eletrônicos do Irã. Portanto, recomenda-se levar dinheiro em espécie, especialmente o Euro.

Seguindo estas observações importantes, você desfrutará todos os prazeres e boas experiências que o Irã guarda. E nós, da Raidho, que somos especialistas neste e em outros destinos maravilhosos, aguardamos você. “Salam” e até nosso próximo encontro!

Lucila Nedelciu
Em busca de realizar um sonho, Lucila se tornou empresária aos 28 anos quando fundou a Raidho Viagens em 1990, uma operadora especializada em turismo para lugares exóticos e roteiros de experiência. Formada em Letras e pós-graduada em Marketing, já viajou para mais de 70 países, sendo 15 visitas à Índia, destino pelo qual é apaixonada e considerada uma autoridade. Devido a isso, é perita em roteiros incomuns para conhecer culturas e filosofias milenares e os costumes de cada povo, visando o enriquecimento interior junto às belezas dos locais.
Inovadora e conhecida por lançar tendências no mercado, oferece junto à Raidho, excelência na qualidade de serviços e tem orgulho em ter conquistado o prêmio de melhor Operadora da América Latina em viagens para a Índia, pelo governo, por três anos consecutivos.